quinta-feira, 2 de junho de 2011

AFRODITE - DEUSA DO AMOR E DA BELEZA.


Afrodite para os gregos e Vênus para os romanos era assim chamada à linda Deusa do amor, era também conhecida como deusa da beleza e do amor e dos prazeres, mãe dos amores. 
No mito, Afrodite era a filha de Urano e Gaia. Como seu pai devorava todos os filhos que nasciam por medo de perder o poder, ele acabou sendo castrado por um de seus filhos, Cronos. E assim teve início a genealogia dos deuses gregos. Afrodite nasceu das espumas borbulhantes do mar, no momento exato da castração paterna. Acolhida pelas águas do oceano materno, ela teve sua feminilidade desabrochada por essa origem encantada. 

Por isso Afrodite cresceu encantada. Ela era chamada também de “a deusa dourada” porque concedia o brilho da luz nos olhos daqueles que eram tomados pela energia de Eros, o deus do amor. As mulheres nascidas sob sua influência naturalmente vivem a sexualidade, a sensualidade e a beleza como qualidades sagradas. Seu maior dom é sua capacidade de entregar-se ao amor. Todas as mulheres na antiguidade faziam pedidos à deusa Afrodite, para que ela lhes concedesse a graça de se sentir bem com o seu corpo, com sua sexualidade, com o prazer. Até mesmo a poderosa Hera, quando se casou com Zeus, pediu a Afrodite o seu cinto sagrado para viver sua noite de núpcias. Conta o mito que Afrodite usava um cinto que lhe aumentava os poderes de sedução. Simbolicamente, o cinto marca a região dos quadris, acentuando a auto-percepção dessa região sensual da mulher. Assim, um cinto faz “sentir” mais o próprio corpo.

A principal característica de uma mulher Afrodite é sua capacidade de se relacionar afetivamente com as pessoas. E acima de tudo, ela faz com que todos os seus relacionamentos sejam amorosos, não importa se com amigos ou amantes. Sua palavra-chave é o coração. Para ela, tanto faz se um relacionamento dura uma hora ou uma vida inteira, mas ele será pleno e absoluto naquele momento. Por isso, o grande ensinamento da deusa Afrodite é que é preciso sentir a vida no presente, no aqui e no agora. É preciso perceber plenamente o momento presente. É a deusa-zen. Vive o momento, como ensina o zen-budismo.

As mulheres Afrodites são muito cobiçadas pelos homens, que projetam nelas sua “anima”, ou seja, sua parte feminina. Neles, essa capacidade de entregar-se e envolver-se quase sempre é pouco desenvolvida. Afrodite possui o dom de fazer os homens se sentirem maiores, mais importantes e maravilhosos. No entanto eles a temem, por que sabem de sua infidelidade nata. Afrodite traz em si um aspecto da Grande Mãe.

Sua vida sentimental é quase sempre tumultuada, além de se deixar levar constantemente para relações triangulares. Na verdade, há cerca de 3 mil anos vem sendo uma das deusas mais temidas e perseguidas. Sua sensualidade exuberante assusta e não foram poucas as vezes em que foi confundida com uma espécie de tentação do demônio. Isto foi responsável por uma das mais profundas chagas impostas à feminilidade em nossa cultura. 

Afrodite é uma deusa maravilhosa, que nos ensina a capacidade de entrega ao amor. O que ela quer é o coração, ou seja, aquilo que é a coisa mais autêntica e verdadeira em nossas vidas. Este é o dom maior de Afrodite. Quem já amou, sabe.

Fonte: Soraya

NÃO DEIXE O AMOR PASSAR.



Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.

Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

Vida que segue, tempo que voa ...↔